Mais de 170 famílias já foram reassentadas na BR-381/MG no trecho de BH a Governador Valadares

Mesmo com as restrições impostas pela pandemia do Coronavírus, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) fechou 2020 com 30 reassentamentos concluídos em Minas Gerais. Por meio do Termo de Acordo, celebrado em 2017, entre o DNIT, Ministério Público Federal, Defensoria Pública da União, Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte e Comunidade dos Moradores de Áreas de Riscos, 178 famílias já foram removidas das margens da rodovia BR-381 e reassentadas em locais adequados e seguros.

Para dona Zélia Nogueira, ex-moradora da Vila Bom Destino, casa nova significa ter uma noite de sono tranquilo. O reassentamento da beneficiária foi concluído no dia 20 de novembro de 2020, em moradia escolhida por ela e adquirida pelo DNIT, na região metropolitana de Belo Horizonte: “Agora, longe da rodovia, posso dormir sem o barulho de caminhões trepidando no asfalto, sem poeira, e risco de acidentes”.

Moradia de origem precária - A moradia original estava localizada no município de Santa Luzia, no Lote 8A das obras de duplicação da BR-381/MG. A beneficiária mudou para o local em 16 de outubro de 1999, quando a moradia possuía apenas um cômodo de tijolo e o restante de madeirite. Sua neta construiu outra moradia ao lado da sua: as duas casas possuíam o mesmo portão de entrada e ficavam em frente à BR-381.

Dona Zélia reconhece o perigo de viver às margens da rodovia por todos esses anos e relembra o trágico acidente que aconteceu uma semana antes de sua mudança para a moradia nova: para evitar um engavetamento com outros veículos menores, uma carreta bitrem fez uma manobra para desviar e tombou, ficando atravessada no meio das pistas.

Reassentamento - Com a mudança de moradia, Dona Zélia (57), o companheiro Leonardo (39) e o filho Willy (26) passaram a viver em uma casa segura, com equipamentos públicos próximos, redes de água, luz e esgotos formais, e com infraestrutura adequada. “A sensação é de alívio, sossego e paz. Ainda tenho alguns parentes que ficaram na comunidade, mas torço para que todos consigam se mudar rápido”, afirmou.

Segundo ela, o critério de escolha pela nova moradia foi espaço. “É uma casa grande com quintal na frente e atrás e meus netos tem espaço para brincarem seguros”, destacou. Afirmou que a família já se sente adaptada no novo local.

Para 2021, está prevista a conclusão do reassentamento das Vilas da Paz e Pica-Pau, localizadas na região Nordeste de Belo Horizonte, além do início dos trabalhos comunitários na Vila da Luz, na mesma região da capital mineira. A expectativa é reassentar cerca de 750 famílias nos próximos anos.

Informações da Coordenação-Geral de Comunicação Social - DNIT



Foto: Carina Alves