DNIT e Gestão Ambiental produzem campanha contra queimadas próximas da BR-381/MG

26/08/2020 - O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e consórcio Skill-MPB Engenharia, Gestora Ambiental das obras de duplicação da BR-381/MG, estão produzindo campanha para alerta e informação contra queimadas nos bordos da rodovia federal. A campanha inclui os Programas de Comunicação Social e Educação Ambiental do empreendimento e vai abranger comunidades lindeiras, trabalhadores e usuários.

A campanha tem como objetivo alertar todos os atores sociais, que fazem parte do cotidiano de obras para expansão do tráfego na BR-381/MG, quando os riscos ambientais para os moradores lindeiros e para os motoristas que trafegam pela rodovia federal quando há queimadas nos bordos de pista. As ações do DNIT e da Gestora Ambiental visam chegar ao maior número de pessoas possível, com uso dos meios disponíveis para divulgação oferecidos pelos programas socioambientais de Comunicação Social e Educação Ambiental.

O Programa de Comunicação Social vai trabalhar o tema com uso de materiais informativos como cartazes e faixas, instalados em comunidades lindeiras e frentes de obras. Além disso, a abordagem do tema terá uma websérie em vídeo com três episódios, além de três programetes de rádio dedicados ao assunto e textos sobre cuidados ao tráfego de veículos em condições com fumaça nas pistas.

Já o Programa de Educação Ambiental já apresenta o tema aos trabalhadores da obra. Na semana passada, a equipe de EA tratou dos cuidados para se evitar queimadas com profissionais da usina de concreto para o lote 7, em Caeté. A abordagem feita trabalhou o tema em formato de Diálogo Direto de Segurança (DDS), ao ar livre e tomando todas os cuidados de segurança e higiene, em tempos de pandemia por Covid-19.

Causas e cuidados - De acordo com a tenente do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, Valquíria Coelho, a temporada de queimadas no estado vai de junho a outubro. "Todos os anos, temos este período como maior expectativa de ocorrência de incêndios", diz a bombeiro. Valquíria comanda o pelotão do CB em Sabará, que atende a região de Taquaruçu de Minas, Caeté e Nova União - os dois últimos abrigam obras de duplicação da BR-381.

Entre as possíveis causas para início de queimadas, que acabam atingindo a rodovia federal, a Tenente aponta a ação humana como um dos fatores preponderantes. "De maneira empírica, temos comprovadamente dados [mostrando que] os sitiantes (...) na hora de fazer a queima do lixo, eles podem perder o controle e causar um incêndio", conta. A troca da agricultura também é mencionada pela bombeiro.

Não há dados exatos sobre números de acidentes em rodovia federais causados diretamente pela falta de visibilidade, trazida pelas paredes de fumaça das queimadas. "A fumaça é um fator que dificulta, e muito, a rotina desses motoristas, porque ela deixa a visibilidade comprometida", afirma Valquíria. No trecho onde o pelotão é comandado pela tenente, o traçado antigo da BR-381 serpenteia em curvas, o que pode trazer problemas aos motoristas quando queimadas deixam a pista coberta pela fumaça.

Para evitar acidentes, a tenente afirma que, para se manter seguro frente às paredes de fumaça sobre as pistas, é preciso buscar um local adequado para estacionar. "O primeiro local que ele puder vislumbrar, em condições de segurança, ele deve parar, sinalizar e permanecer até que a fumaça se dissipe", alerta Valquíria.

De acordo com o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, foram registradas 8.928 ocorrências de queimadas em vegetação nos primeiros sete meses de 2020. No mesmo período do ano passado, a corporação registrou 6.806 queimadas no estado.



Reprodução

© COPYRIGHT 2018 GESTÃO AMBIENTAL BR-381/MG