BR-381/MG: os riscos de utilizar passagens para pedestres com veículos

17/02/2021 – As passarelas construídas na duplicação da BR-381 em Minas Gerais são o caminho seguro para a travessia das pistas. Esses equipamentos fazem a ligação entre as margens da rodovia federal sem que o pedestre fique exposto ao trânsito dos veículos. Ao longo das obras de duplicação, a população que mora perto das pistas já conta com três passarelas finalizadas e liberadas.

As passarelas (passagens sobre a pista) são equipamentos de segurança exclusivos para as pessoas poderem transpor as quatro faixas de rolamento. São as últimas obras especiais a serem executadas, pois é necessário que o alargamento da rodovia esteja totalmente concluído. Nos viadutos e passagens de veículos construídas também é possível a circulação de pessoas a pé de forma segura.

Nas passarelas o motorista deve ter a ciência que fazer a travessia utilizando motocicletas expõe os usuários a acidentes. Os veículos devem utilizar os retornos dispostos na rodovia. Além dos riscos aos pedestres, os motoristas que utilizarem os dispositivos de travessia estão sujeitos as penalidades previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

De acordo como código, o condutor utilizar uma das passarelas da BR-381 com a motocicleta, mesmo que desmontado, empurrando-a, também se configura em infração de transitar, pois esse tipo de travessia não é igual ao pedestre.

Na duplicação da BR-381/MG foram construídas e liberadas três passarelas, alocadas nas principais travessias urbanas. A primeira foi construída no km 400,8, em Moretto, município de Bom Jesus do Amparo. Já a segunda estrutura está construída no km 413,5, em Nova Aparecida (Nova União) com a terceira travessia instalada no 421,3, Travessia Urbana de Roças Novas (Caeté).




© COPYRIGHT 2018 GESTÃO AMBIENTAL BR-381/MG